O lugar da leitura na era da internet

O lugar da leitura na era da internet

Desde crianças somos estimulados, pelos nossos pais e pela escola, a criar o hábito da leitura, essencial para desenvolver a habilidade da escrita. Apesar de muitas escolas primárias já incluírem na rotina escolar aulas de informática, inclusive com noções de busca na internet, as bibliotecas físicas ainda existem e a cultura da leitura também. Algumas instituições adotaram projetos voltados a esse incentivo, com iniciativas como troca de livros e sessões de leitura.

Entretanto, no Brasil, a situação ainda é bastante precária. E, de fato, os números indicam que o brasileiro lê pouco. Trata-se de uma questão cultural, portanto, mais difícil de ser modificada, principalmente nos adultos. Por isso, as políticas de incentivo à leitura na infância são tão importantes, pois os hábitos ainda estão em formação e as crianças ávidas por conhecimento, histórias, fantasias e aventuras. Contudo grande parte dos os livros continuam caros e restritos a uma pequena parcela da população.
As discussões sobre a importância do hábito da leitura sempre estiveram em pauta. Desde que a televisão foi inventada, os críticos alertam que a mídia eletrônica destruiria esse hábito. Atualmente, entretanto, as especulações sobre os novos costumes estão mais calorosas, especialmente por conta das infinitas possibilidades de leitura rápida, interativa, confortável e econômica, possibilitada pela internet por meio dos blogs, Twitter, Facebook, MySpace, e-books, entre outros. São novas maneiras de leitura que estão transformando o modo como nos relacionamos com os livros e, até mesmo, o entendimento do que significa ler.

Para os mais velhos, aderir às novas tecnologias pode demorar. Alguns simplesmente ignoram os fatos se recusando a aceitar a mudança e abandonar o companheiro livro. Mas, para as crianças e os jovens nascidos na era das frases sem pontuação e palavras abreviadas, ler um livro pode significar coisa da idade da pedra.

Sim, talvez seja mais enriquecedor ler cinco sites, um artigo de opinião e um blog sobre o mesmo assunto do que ler um pesado livro de 200 páginas. Mas o desenvolvimento intelectual e pessoal, assim como o prazer da leitura de uma boa obra, não devem ser dispensados, pois ensinam a selecionar o que vale ou não a pena ser lido na infinita biblioteca da internet.

7 maio 2017