Linguagem nas redes sociais. Qual é a sua?

Que as novas tecnologias mudaram a vida das pessoas, isso não é novidade, mas, com o surgimento das redes sociais, essa transformação foi ainda maior e, tudo que já era rápido se tornou ainda mais ágil, principalmente, se tratando do fator escrita. Com o advento das mídias sociais, as pessoas buscaram novas formas de expressões rápidas e funcionais, para poupar tempo na hora de escrever. Ninguém quer passar muito tempo escrevendo uma frase enorme, se com algumas siglas e palavras, é possível ser mais objetivo e, em um menor tempo. Essa nova forma de se comunicar é chamada internetês.

A linguagem específica na internet quem vem sendo usada, primordialmente, nas redes sociais – as queridinhas dos internautas – passou a ser aplicada, de forma a simplificar a língua portuguesa, em tempos onde a rapidez é fator principal. Com toda essa agilidade, a língua portuguesa acabou obtendo alterações, que não são necessariamente permanentes, mas que vêm acompanhada com os lançamentos tecnológicos e fazem parte da vida social.

Essas mudanças e diversidade de códigos e expressões na rede podem ser notadas conforme as mídias e tecnologias avançam. Por exemplo, o vocabulário da rede que antes incluía TC (teclar), hoje já não se usa mais, pois perdeu a fórmula e caiu na mesmice. Contudo, enquanto uns somem, outros dialetos e expressões aparecem, como os mais novos ‘trolar’, ‘googar’, rickroll’, ‘LOLcat’, ONG (ai meu Deus, do inglês oh, my god), ‘LOL’(gargalhar, do inglês laugh out loud), ‘kkkkkkk’ (para expressar gargalhada), entre outros. Isso sem falar nas repetições de letras para enfatizar (feliiiiiiiiiizzz!!!) ou no uso de pontos e simbologias para demonstrar emoção. Por exemplo, dois pontos e um parênteses significa estar feliz ou gostar de algo comentado :).

O que poucas pessoas sabem é que essa é uma linguagem que existe há muitos anos, e não exclusiva da internet,  a chamada taquigrafia. Conhecida também como estenografia, a taquigrafia é um método que foi criado a partir de 1588, com o objetivo de anotar rapidamente discursos, palavras e textos. Escrita à mão ou em máquinas próprias, a base do método é escrever rápido em um curto espaço de tempo. O modelo consiste de abreviatura de sinais, que são muito utilizados, sobretudo, em tribunais e em casa legislativas. Curiosamente, com o surgimento da internet e das redes sociais, uma linguagem muito similar acabou sendo criada para a comunicação. O comum entre duas formas de expressão, distantes há pelos menos 400 anos, é a necessidade dos ser humano em adaptar a escrita ao tempo.

É importante ressaltar que, não existe, de fato, um problema na utilização de abreviações e novas linguagens na rede, pois como vimos, elas têm o poder de se alterarem ou até desaparecem. Entretanto, é preciso colocar que, o primordial na hora da escrita é saber o quê e, para quem escrever. Por exemplo, um e-mail, mensagem ou publicação para colegas e amigos, não precisam de restrição no uso de abreviações, gírias ou carinhas, mas se a mensagem for endereçada ao chefe ou superior, ela certamente precisará ser mais coloquial, padrão e formal. O único problema da linguagem na rede é não conseguir limitá-la apenas as mídias sociais.

16 dezembro 2017